Archives setembro 2014

Nesse curso você vai aprender a operar o software de áudio padrão da indústria do áudio e produção musical.
Durante 6 horas e 17 minutos o musico e Produtor Musical Jorge Araujo vai compartilhar os seus 10 anos de experiência em Pro Tools com você nessa video aula completa.

Entre em contato para mais detalhes.

[contact-form-7 id=”5040″ title=”Contact form 1″]

Nesse tutorial vou demonstrar uma das formas de uso da ferramenta de Clip Gain e Audio Suite no Pro Tools.

Estava mixando e me deparei com uma situação que poderia por a perder a integridade da mixagem. Tive um problema de corte digital (CLIP), o problema maior é que esse clip acontece em um trecho solo do vocal.

Veja abaixo como resolvi facilmente esse problema!

Editando Vocal no Pro Tools [Clip Gain e Efeito de Fita Parando Vari-FI]

 

Eventide acaba de lançar seu novo plugin UltraReverb, um pacote integrado de 9 reverbs, além de um compressor, quatro equalizadores paramétricos e Delay estéreo, a um preço introdutório especial de $ 79 (oferta termina 17 de outubro).

Principais Características do Eventide UltraReverb

– Algoritmos de reverberação baseada em 9 hardwares High End em um único Plug-in
– Halls, Chambers, Rooms, Plates, e Ambiências baseadas no processador hardware carro-chefe da Eventide, o H8000 UltraHarmonizer
– Cria ambientes acusticamente naturais ou de outro mundo
– Embalado com mais de 300 presets de mixagem, masterização, pós-produção, e sound design
– Inclui presets de artistas projetados pelos melhores engenheiros e profissionais de gravação
– Delay estéreo (reverb pré ou pós), com Tempo de sincronização para bloquear atrasos no tempo com a sua sessão
– Compressor (pré ou pós reverb) com entrada auxiliar (Input Key)
– Pre-EQ, Post-EQ, Reverb EQ e Delay EQ – Quatro, equalizadores paramétricos três bandas independentes
– A randomização da Cauda de Reverb com base na configuração aleatória do lendário H949 Harmonizer
– Modulação da freqüência e controles de profundidade
– Controle LoFi
– Formato nativo para AU, VST, ou AAX64. Mac/Windows
– Não é necessário ter iLok físico

PARA MAIS INFORMAÇÕES ACESSE: http://promotions.eventide.com/ultrareverb.jsp

[video_player type=”youtube” width=”1280″ height=”720″ align=”center” margin_top=”0″ margin_bottom=”20″]aHR0cHM6Ly93d3cueW91dHViZS5jb20vd2F0Y2g/dj1NRGYyNXFMR1gwcw==[/video_player]

 

SPL’s Transient Designer é provavelmente o processador dinâmico mais original que apareceu nos últimos 15 anos, a tecnologia do produto que encontra-se no coração do DrumXchanger traz novas possibilidades nos controles. Assim, tendo inserido em um canal que precisa de um som de bateria para substituição, lá vamos nós.

Visão geral:
A partir da esquerda você tem um controle de ganho que dá + /-15dB, quatro botões de predefinição para armazenar diferentes configurações do dispositivo (com a capacidade de copiar e colar entre eles) e um botão editor que acessa a página onde você possa construir suas próprias bibliotecas de samples.

Em seguida é o estágio de entrada. Aqui você pode manipular o som da fonte usando o primeiro dos dois botões você pode ajustar filtros de passa-alta e passa-baixa e, em seguida, definir um nível de atack se você quiser o vazamento, mas não no som que você está substituindo.

Nessa primeira parte do painel (parte esquerda), você controla o som antes de passar pelo trigger.

Na prática:

Dito isto, uma vez que você tem os arquivos WAV é muito fácil para colocá-los dentro de cada um dos oito níveis dinâmicos disponíveis no plugin

Você também pode colocar uma amostra que desempenha em toda a track, para que você não tenha que ter multisamples para que ele funcione. Você, então, salva como uma preset e chamar usando o botão de load no painel frontal.

Depois de ter escolhido o seu sampler, você pode processá-lo usando mais filtros na segunda parte do painel (lado direito) Você pode mudar sua altura e, em seguida, misturá-lo com o som original, usando o controle dry/wet, ou apenas usar o som do sampler.

Em um bom sinal de entrada limpo leva muito pouco tempo para criar. O disparo é sólido e a fase é extremamente boa. Você pode trocar a fase do sampler e avançar ou atrasar a sua reprodução, mas eu não precisei fazer nada disso em meus testes , apenas funcionou. Com sinais de disparo mais difíceis, você tem que mexer um pouco mais, por isso o SPL DrumXcharger te dar tanto controle. É possível fazer as coisas nele que em muitos outros sistemas eu desistiria.

A adição dos quatro presets significa que você pode configurar o trigger básico, copiá-lo para os outros presets e adaptar estas a quaisquer momentos que precisar. Com um pouco de automação para alternar entre eles, você pode domar praticamente qualquer faixa problemática sem ter que editar o áudio. A SPL adicionou capacidades MIDI a partir da versão 1.2, para te dar mais controle ainda da situação.

Este é um fantástico plug-in, com recursos incrivelmente poderosos de substituição de bateria.

Prós
Configuração de trigger altamente controlável. Vem com uma biblioteca de samples e te dar a opção de construir o seu próprio. A capacidade para misturar o sinal original e a amostra com um desenhador transitório separado para cada caminho do sinal.

Contras
Só aceita WAV.

Veredito
Um excelente dispositivo que simplifica o processo de substituição de kits de bateria, em particular com fontes difíceis.

Você pode fazer o download da bibliotecas de samples gratuitamente no site da Plugin Alliance: http://www.plugin-alliance.com/en/plugins/detail/spl_drumxchanger.html

Nesse tutorial vou ensinar na prática como fiz para mixar uma vocal. Nessa música estou usando o Studio One, plug-ins stock e de terceiros. Para a captação da voz utilizei ferramentas básicas e baratas para demonstrar que é possível fazer um bom som em casa. Espero que gostem das dicas.

Não leve esse tutorial como uma regra, cada música vai funcionar totalmente diferente devido a vários fatores que explico no vídeo. O vídeo serve para você se situar como é utilizada as ferramentas dentro de um contexto real de mixagem. Dessa forma você já fica mais por dentro de como funciona.

https://youtu.be/3auknPVzBLo

Esse vídeo já é bem antigo porém muita gente pediu para postar novamente, então fica ai a dica pra quem estiver interessado em aprender um pouco mais.
Não esqueça de se inscrever em nosso canal no Youtube para acompanhar por la também toda vez que tiver algo novo.

 

Abaixo segue um exemplo de uma música que produzi em meu Home Studio usando um Shure sm58 para captação de voz e guitarras algum tempo atrás!

O IK Multimedia T-racks Custom Shop 4.2 adiciona um novo plug-in de compressão. Este modelo de equipamento é baseado em uma unidade clássica de compressor Solid State de 1970 que tem sido uns dos mais queridos em estúdios em todo o mundo há mais de 40 anos (NADA MAIS E NADA MENOS DO QUE O NEVE 33609).

33609

 

O modelo Precision dá um “gordo e grosso” caráter sônico quente, mas não é excessivamente agressivo, mesmo com taxas de compressão mais elevadas. O resultado é um som muito transparente, ainda musical que não perde o foco ou detalhe, e é perfeitamente adequado para praticamente qualquer aplicação de masterização, pós-produção ou broadcast.

O Precision compressor/Limiter possui duas seções principais, o compressor e o limitador. A seção de compressão tem um tempo de atack fixo (que é influenciado, em parte, pelo ratio selecionado) e o tempo de libertação (release) pode ser selecionada a partir de 6 valores, dos quais dois são automáticas e dependente do material de áudio. O limitador apresenta um ambiente comutável lento/rápido no atack, um ratio fixo e o tempo de recuperação ajustáveis. Os controles do limiter são extremamente fáceis de usar, e torna possível para os usuários alcançar resultados de alta qualidade em um curto espaço de tempo.

EM AÇÃO:

Waves e Abbey Road Studios apresentam o J37 um plugin de saturação de fita, um modelo de precisão da própria máquina usada para gravar muitas das maiores obras-primas da música moderna. Com uma variedade de controles ajustáveis ​​pelo usuário, incluindo a velocidade de fita, Bias, Noise, Saturação, Wow e Flutter, O Waves Abbey Road J37 recria fielmente a assinatura sonora inimitável da máquina original. Além do próprio J37, três fórmulas exclusivas de óxido das fitas  foram modelados. Especialmente desenvolvido pela EMI durante os anos 60 e 70, cada fórmula tem a sua própria resposta de frequência única e comportamento de distorção harmônica. A fim de incrementar  ainda mais o som o plug-in dispõe de uma unidade de delay de fita global adicionado, para complementar as tonalidades quentes.

Waves Abbey Road J37: Emulação de Fita maravilhoso

Waves: Abbey Road J37 Tape Saturation plugin trará deslumbrante calor analógico para suas gravações digitais, oferecendo um nível de realismo nunca antes experimentado em produção “In The Box”.


10

Sobre a máquina orginal:

O original J37 era uma máquina de 4 canais concebido pelo pioneiro em gravação dos suíços Studer. Lançado no início de 1960, o J37 foi a primeira máquina multi-track da Studer e um verdadeiro avanço tecnológico, incorporando versatilidade, funcionalidade e simplicidade no que era então uma máquina de state-of-the-art.

Em 1965, Abbey Road Studios adquiriu quatro novos J37s, que foram utilizados em quase todas as máquinas de gravação até 8-tracks foram introduzidas para Abbey Road Studios em 1969. Antes da J37, Abbey Road usou uma máquina de 4-track tape Telefunken, que era uma  engenhoca grande e pesada que exigia uma sala de máquina separada. Isso fez com que os problemas de comunicação entre o produtor e o operador de fita, que o processo de gravação complicada e prolongada. Em contraste, o J37 foi pequeno o suficiente para ser colocado diretamente na sala de controle, abrindo o potencial criativo para gravação multi-track.

Após o rigoroso processo de testes requerido pela EMI de todos os equipamentos utilizados no Abbey Road, quatro modificações foram feitas para os J37s . Em primeiro lugar, as rodas foram adicionados para tornar as unidades facilmente transportáveis ​​. Em segundo lugar, uma tomada de três pinos Bulgin foi instalado para permitir a conexão de um oscilador, que foi muito útil ao usar a máquina em velocidades fora do padrão. A máquina Telefunken de 4-canais utilizados antes da J37 armazenado a fita , com o óxido de frente para o exterior , para que um interruptor reversível foi adicionada a parte de trás do J37 , para permitir a fácil leitura destas fitas. Finalmente, a chave pré- EQ , que originalmente oferecido a opção de NAB (American) ou CCIR (europeu ) curvas de transmissão , foi bloqueado para CCIR , a curva EMI -aprovada.
A resposta da máquina de freqüência foi excelente , chegando a 18 kHz no EQ high end , que, juntamente com as suas válvulas de 52 , permitiu-lhe produzir um rico espectro de cores e tons . Parte do som característico de gravações feitas no Abbey Road Studios , durante os anos 60 e 70 foi até o uso de fórmulas especiais de fita , desenvolvido pela EMI para uso exclusivo em seus estúdios : EMI TAPE 888 ( início dos anos 60 ) , EMI TAPE 811 ( meados dos anos 60 ) e EMI FITA 815 ( início dos anos 70 ) . Cada um possuía sua própria resposta de freqüência única e comportamento de distorção harmônica , que emprestou um timbre diferenciado para as gravações para os quas foram usados.

Enquanto o J37 foi usado em várias gravações famosas, ele é talvez o melhos conhecido por seu uso inovador no algum sr dos Beatles. Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band. O Produtor George Martin utilizou a máquina não apenas para a gravação, mas também como uma ferramenta de produção criativa, saltando para faixas entre dois J37s e criando camadas e camadas de som para conseguir texturas sonoras inovadoras.

Mais informações: http://www.waves.com/plugins/j37-tape