Archives maio 2017

O Melhor Plugin Stock que uma DAW pode ter!

O lançamento do Studio One 3.5 sacudiu o mundo da Produção Musical! Nunca na história houve uma atualização tão grande para uma DAW feita dessa forma! A Presonus simplesmente adicionou 50 novas funcionalidades ao Studio One 3.5! Isso é insano!

Estou até agora explorando e curtindo muito as novas funções que colocam o Studio One, sem dúvidas como a melhor DAW do momento.

Para saber mais detalhes sobre essa grande atualização CLIQUE AQUI

Para aqueles de vocês que podem ter visto o Fat Channel em sua pasta de plugins, esse vídeo é para você. Devo admitir que demorei um pouco a dar atenção a esse plugin. Assim como com qualquer novo plug-in, você realmente deve dar-lhe uma chance honesta.

O Fat Channel é um plugin que foi feito pela série mixer StudioLive. Fornece um compressor, limiter, gate/expander e EQ paramétrico de quatro bandas, além de um filtro highpass. Você pode fazer todo seu processamento em um plugin com uma única GUI em oposição a vários plug-ins.

Aqueles de vocês que estiveram salivando sobre a nova interface do Studio 192 também podem ter percebido que o PreSonus adicionou o DSP que permite que uma versão do Fat Channel com DSP funcione nas entradas 1-8 e ADAT 11-18 também. O poder real vem com o fato de que você pode vincular o DSP e Native Fat Channels juntos para uso de latência zero sem interrupção ou, se preferir, você pode imprimir o DSP diretamente na pista! Devo admitir que a integração ao trabalhar com o Studio One a partir da v3.1 e posteriores é realmente muito boa. 🙂

🔵 Presonus Studio One Fat Channel XT + Dicas de Mixagem MATADORAS

[video_player type=”youtube” youtube_auto_play=”Y” style=”1″ dimensions=”853×480″ width=”853″ height=”480″ align=”center” margin_top=”0″ margin_bottom=”20″ ipad_color=”black”]aHR0cHM6Ly93d3cueW91dHViZS5jb20vd2F0Y2g/dj1iQWU2SUo4a0lXSQ==[/video_player]

A versão 3.5 elimina a necessidade de DSP de hardware caro introduzindo monitoramento de software nativo de baixa latência.

Quando usado com uma interface de áudio de alta velocidade, como a PreSonus Quantum, o gerenciamento de latência do mecanismo de áudio foi completamente redesenhado nessa nova versão do Studio One 3.5, permitindo que você permaneça no domínio do processamento nativo ao longo de todo o processo de produção.

O resultado é um desempenho mais rápido e uma melhor estabilidade, incluindo a Proteção de Saída que reduz o risco de falhas de áudio em músicas pesadas de CPU, mesmo com configurações de buffer muito pequenas.

Monitoramento de software nativo de baixa latência funciona em instrumentos virtuais, bem como, permitindo VIs para ser tocado ao vivo, normalmente com latência imperceptível. Para interfaces equipadas com DSP, como a série PreSonus Studio 192, você pode escolher entre hardware de baixa latência e monitoramento de software de baixa latência.

O Studio One 3.5 Professional introduz uma página de projeto (Suite de Masterização) completamente revisada com marcadores de faixa independentes de arquivo que podem ser inseridos e posicionados livremente no arranjo da página do Projeto. Isso permite que faixas de CD abranjam múltiplas músicas e permite dividir longas gravações contínuas em várias faixas sem dividir o áudio.

A nova página do Projeto também atualiza a detecção de volume e a exibição dos resultados para atender aos mais recentes padrões de medição de volume. O medidor de nível Peak / Loudness atualizado agora tem várias opções de medição de loudness, incluindo EBU R128, com duas faixas de exibição diferentes.

O medidor Spectrum revisado oferece vários recursos novos, incluindo visualizações Segments e 12th Octave, o último dos quais possui uma conveniente escala de teclado.

Função de Undo/Redo nos Faders foi o pedido de recurso mais popular, e agora está aqui. Na verdade, a versão 3.5 implementa “undo” para todo o mixer, incluindo plug-ins, instrumentos, roteamento, seleção de E/S, cadeias de FX e muito mais. As ações do mixer agora são adicionadas ao Undo History como qualquer outra ação. Basta clicar em Desfazer ou ir para frente e para trás no Histórico de Desfazer. É simples assim.

Graças ao novo plug-in Fat Channel XT do Studio One 3.5, os usuários do StudioLive® Series III podem transferir cenas completas de mixagem, incluindo as configurações do Fat Channel, para o Studio One. (Os usuários da Série III precisarão atualizar para o Universal Control 2.1 ou posterior).

O plug-in é bit a bit idêntico ao Fat Channel dos novos mixers StudioLive Series III e oferece as mesmas capacidades de roteamento e processamento, incluindo a alternativa Vintage compressor e EQ modelados. Além disso, agora você tem o controle remoto dos pré-amplificadores de microfone StudioLive Series III e do Fat Channel diretamente no Studio One.

Com o Studio One 3.5 e a versão simultânea do Notion 6.2, a PreSonus desenvolveu ainda mais uma integração entre a DAW e os aplicativos de notação musical. Agora você pode enviar e receber dados em documentos do Notion existentes, ao invés de criar uma nova canção cada vez que você transfere dados. O Studio One e Notion também podem compartilhar mapas de tempo completo, incluindo alterações de marca de tempo e marcadores.

A versão 3.5 oferece muitos mais novos recursos, incluindo dispositivos de gravação e reprodução independentes para o macOS, portanto, não é necessário criar um dispositivo agregado ao nível do sistema; Otimizado os arquivos de song e do projeto, com o novo auto-salvar que é 10 vezes mais rápido do que antes; Suporte para múltiplas telas sensíveis ao toque; E novas opções para exportar ou saltar eventos. Um comando Atualizado Show / Hide Automation afeta toda a automação combinada e, ao adicionar Automação de parâmetro do instrumento, uma nova pista de automação agora é adicionada diretamente na faixa de instrumento selecionada atualmente.

[content_toggle style=”1″ label=”LISTA%20COMPLETA%20DE%20NOVIDADES” hide_label=”COLAPSAR”]

New features and improvements:

Audio Engine and Performance

  • Flexible Dropout Protection
  • Native Low Latency Monitoring
  • Low-latency virtual instrument monitoring
  • Multi-processing enhancements for improved CPU balancing

Arrangement and Automation

  • New shortcut to “Select all Muted Events”
  • Copy/Paste Events also copies Layer data
  • Import tempo map, time signatures and markers when dragging MIDI file to
  • Arrangement [Cmd+Alt]
  • Maximum Track Delay increased to 1,000ms
  • New Track command: “Apply Track Names to Channels”
  • “Cursor follows Edit Position” now limited to manually selected events or ranges
  • Batch renaming events always adds leading zero
  • Event Inspector: Multi-editing for Event Start and End
  • Arranger Track: Move Arranger Section only [Cmd+Alt]
  • “Bounce to new Track” now preserves output routing
  • Complete Show/Hide for Automation
  • Automation Lanes on Instrument Track
  • Improved time-stretching accuracy. “Audio Bend” mode now obsolete.

Mixer (Console)

  • Mixer Undo
  • Remote control of StudioLive Series III Fat Channel and mic pre-amps
  • New command: “Remove Track Automation” removes all automation data
  • Visual plug-in bypass state in console

Instruments and Plug-ins

  • Fat Channel XT
  • Adjustable level range for Spectrum Meter (all modes)
  • Updated micro-views for Spectrum Meter
  • 12th octave mode in Spectrum Meter (incl. keyboard scale) • Loudness Meter now EBU R-128 compliant
  • [macOS] MIDI input for AU plug-ins
  • Event FX window follows Event selection
  • [macOS] Preset list support for AU instruments/plug-ins
  • FX Routing: Splitter can now be moved freely

Music Editor

  • Unlimited number of controller lanes
  • Option to “Resize adjacent Events” (multiple overlapping) [Alt]

Score Editing with Notion

  • Send audio or note data to existing song
  • Tempo map import (drag & drop)
  • Other improvements within Notion( ReWire handling, Studio One application launcher, and more)

Project Page

  • Independent Track Markers
  • Flexible Loudness Detection options • New Loudness Meter
  • New Spectrum Meter
  • DDP import
  • Improved meta-data editing • Pool in Project Page
  • New Bounce Track option
  • Dynamic search for Songs in Project (improved compatibility)
  • Faster rendering (if a Song is used multiple times)
  • New command “Bounce Track” (includes Track inserts, not Master FX) • Extended “Add to Project” menu
  • Improved ID-tag export (adding Composer and ISRC)
  • User interface improvements
  • New “Split Track” and “Split at Cursor” commands + shortcuts

Browser

  • New “Construction Kits” node in Loop Browser
  • Search fields in Browser and Mixer reset on close

Hardware and Multitouch

  • Dual-screen support (Raven MTi)
  • Higher MIDI update rate for control surfaces

General

  • Delete unsaved files and folders when closing new song w/o saving • Warnings shown when errors occur while exporting mix in real-time • Updated FLAC codec (better performance)
  • Improved save and auto-save performance for Songs and Projects • [macOS] Independent recording and playback devices
  • Extended Bounce and Export options
  • Support for 176.4 kHz sample rate in audio export
  • [Developers] Gain Reduction API for VST2

The following issues have been fixed:

  • “Invert Selection” didn’t restrict range when Scratch Pads exist
  • Arranger Track section copy doesn’t work backwards on timeline
  • Pre-recorded notes overlapping loop start are doubled after loop recording
  • Fade handles are hard to reach when event volume is not at max.
  • Overlapping audio events with fade-in are out of sync
  • Crash when recording MIDI in loop
  • Play Start Marker affects bounce between markers
  • PreSonus Studio One 3 – Version History
  • No “Paste” in context menu for Tempo Track
  • [ARA] Events show wrong content when split after analysis with Melodyne 4.1
  • Crash with NI Komplete Audio 6 when changing sample rate
  • Audio time-stretch with bend markers is not exact
  • Chorder: Crash when transposing out of range with automation
  • Install from “Cloud” inside Studio One 3.3 hangs
  • Plug-in menu search box loses focus
  • Command for “Show in Finder/Explorer” not working for Macros
  • Can’t drag more than one Instrument from Browser
  • [macOS] Newly created folders not visible in Browser
  • “Copy external files” not working for multiple opened songs
  • [macOS] Studio One language changes after re-install
  • Crash while closing all songs
  • Musicloop exports without audio when routed to outputs other than Main
  • Wrong-placed note events in loop recording
  • Sustain pedal with latency writes wrong data
  • Global plug-in bypass not functional if any plug-in in Chain is disabled
  • Spectrum Meter curve has offset depending on FFT size
  • Channel buttons missing on Multi-Instrument channels
  • [macOS] AU Instruments saved in OFF status load back empty
  • [macOS] Kontakt AU not showing all available outputs
  • Global deactivate FX not working with disabled tracks
  • Inconsistent behavior when chasing long notes
  • [Impact] Wrong channel order when moving sub outs in mixer
  • Wrong channel order after transform to audio and back
  • Wrong channel order between folders and busses
  • Wrong channel order when dragging instrument to track
  • Studio One will not export note data to Notion if the file has an apostrophe in the name
  • [macOS] Crash on start with OSX 10.11 El Capitan
  • [macOS] AU presets always marked as edited
  • |macOS] Invisible scroll bars in help window
  • Offset when dragging audio file with bend-markers to Instrument Track
  • Notes are transposed one octave when dragging to new Instrument Track via Melodyne

[/content_toggle]

SÃO MAIS DE 50 NOVAS FUNÇÕES NESSA NOVA VERSÃO!

Studio One 3.5 - New Features!

A atualização é gratuita para os usuários registrados do Studio One 3.x.

Mais informações: PreSonus / Studio One

Se você ainda não ouviu falar sobre esses mitos, com certeza ainda vai! São roax que se espalham e acabam por se tornar verdades, talvez por insegurança de algum aspirante a engenheiro de áudio, levando a coisa a extremos e por fim ignorando o fator principal em uma equalização, e não é o equalizador, são os seus ouvidos. Essa peça é que faz a mágica acontecer.

Mixagem é algo complexo, e com muitas opções, e isso acaba deixando muita gente confusa e até mesmo assustadas com tantos nomes e termos complicados a primeira vista. O que acaba também por gerar muitos mitos e discussões sem fim, principalmente hoje em dia na era da informação.

Nesse vídeo vou falar sobre as 6 maiores mentiras mais populares sobre o uso de equalizador:

🔵 6 Mitos Sobre Os Equalizadores

Modelagem de última geração das quatro placas lendárias de reverberação abrigadas nos estúdios da  Abbey Road, e usadas em gravações dos Beatles, Pink Floyd, Radiohead, Adele, James Blake, Florence + the Machine e Frank Ocean. Só para citar alguns.

Introduzido na década de 1950, reverbs do tipo Plate têm sido usados na música desde então. Usados ​​mais proeminentemente nos anos 60 e 70 por bandas pioneiras, incluindo os Beatles e Pink Floyd, as placas de reverb originais da Abbey Road Studios foram instaladas pela primeira vez em 1957 para complementar os tempos de reverberação fixa das câmaras de eco dos estúdios.

Estas belas placas de som, com um tempo de reverberação variável de até seis segundos, foram então ajustadas à perfeição pelos engenheiros técnicos da Abbey Road. Para manter o ruído ao mínimo, os Laboratórios de Pesquisa Central da EMI projetaram amplificadores de unidade solid state híbridos exclusivos para as Placas A, B e C. A Placa D foi totalmente alimentada por válvulas em ambos os estágios de acionamento e saída, permitindo um versátil conjunto de características sonoras, Quente e dark, para exuberante e suave.

Em cada uma dessas placas originais, o efeito de reverberação estéreo é criado suspendendo uma grande folha de metal com molas tensionadas unidas a cada canto. Um transdutor injeta a chapa metálica com energia de áudio, que é captada por dois microfones de contato fixados à superfície da placa. O tempo de reverberação pode então ser ajustado usando um amortecedor interno, e tudo isso está contido dentro de uma grande unidade de madeira.

Essas placas históricas do Abbey Road Studios foram usadas em inúmeros sons  pops, rock, gravações clássicas e de filmes, e continuam a ser usadas em todos os tipos de produções de áudio até hoje. A Waves criou agora modelos meticulosos destas unidades deslumbrantes e únicas, modelando individualmente a distorção harmónica tanto dos amplificadores de potência como de saída, bem como dos comportamentos de placa e amortecedores individuais.

🔵 Mixando com Waves Abbey Road Plates! O Reverb dos Grandes Discos

É possível ter uma boa qualidade com Microfone barato?

MAS É CLARO QUE SIM! Não é o equipamento que faz a diferença, e sim a sua capacidade de realizar uma boa mixagem, CONHECIMENTO! Isso faz toda a diferença. Equipamentos ajudam muito, mas não são tão determinantes quanto o conhecimento.

Aqui no blog já mostrei algumas técnicas legais sobre mixagem de rap.

No fim das contas não importa se o seu equipamento é barato, o que importa é o conhecimento que você tem na cabeça, esse é o verdadeiro valor, vale mais do que qualquer equipamento high end.
Claro que com um equipamento melhor, nosso resultado fica melhor ainda, conseguimos chegar mais rápido, porém de nada adianta um equipamento dos bons, se você não tiver os conhecimentos certos.

Como diz o velho ditado, não é a chuteira que faz o jogador e sim o talento. 

🔵 Mixagem Vocal de RAP Com Microfone Barato!

Ajustando o Tempo e Compasso!

Uma dúvida que cedo ou tarde vai surgir quando estamos usando qualquer DAW, é de como mudar o tempo e fórmula de compassos para acompanhar a música corretamente.

Fiz esse vídeo porque sei que quando estamos mudando de uma DAW para outra, sempre surge dúvidas como essa, e estou sempre postando soluções rápidas e 100% eficientes para você que está começando a usar o Studio One em sua produções.

Então está ai um vídeo para você ver como é simples e fácil fazer isso no Studio One.

🔵 Alterando o Andamento da Música no Studio One: Tempo e Compasso

 

Será que chegamos ao fim da Guerra de Volumes?

Um assunto que deu pano pra manga foi o Loudness War. Espero que as dicas aqui ajudE você de alguma forma em seus processos e serivços de Masterizriação.

Separei  esse trecho de um dos nossos Webnários para postar aqui no Blog, porque é um assunto que muitos amigos me perguntam, então ta ai. A imagem e som não estão la essas coisas mas da pra entender legal. As informações contidas nesse vídeo compensa e muito a baixa qualidade de som e imagem.

Nesse vídeo vou falar sobre o fatídico fim da guerra de volumes (Loudness Wars), e apresentar várias soluções para você conseguir entregar sua música seguindo os critérios de Loudness adotados pelas plataformas digitais como o Spotify, iTunes, SoundCloud Youtube, etc…

Também vou ensinar você a usar alguns medidores sonoros bem úteis e cruciais para você conseguir entregar uma masterização da melhor forma possível.

Vou falar sobre o Waves WLM básico e a versão Plus, também vou falar sobre um plugin chamado LEVELS e como usa-los de forma profissional.

Todas essas plataformas digitais tem os seus próprios padrões de LUFS, RMS e Dynamic Range, e vou falar sobre isso no vídeo abaixo.

Observação: O spotify atualizou para  -14 LUFS.

🔴 O Fim da Loudness War, Waves WLM, LEVELS, LUFS, Spotify, iTunes, SoundCloud, Youtube